Destaque:
Destaque:

Compliance: Como estar em conformidade e assegurar a ética na publicidade

30 de abril de 2018.

O que tem em comum uma empresa familiar, uma agência de propaganda e uma multinacional? A preocupação e o cuidado para não ter seu nome exposto, nem se envolver em escândalos de corrupção. Se todas investem em marketing, é muito provável que queiram também assegurar a ética na publicidade.

Mais do que desvios de verbas públicas por políticos, os recorrentes escândalos envolvendo empresas, e a prisão de diversos dirigentes, tanto do setor público como do setor privado, é algo de tal magnitude e alcance que uma expressão até pouco tempo desconhecida no mundo corporativo, agora está se tornando cada vez mais comum: compliance.

Mas como assegurar a ética na publicidade e a conformidade com a Lei?

Os esforços para assegurar a ética na publicidade

Se até então poucos esforços ou nenhuma ação estavam sendo direcionados pela organização para assegurar um ambiente ético, entre 2015 e 2017 este número mudou significativamente. Isso é o que mostra a terceira edição da pesquisa Nível de Maturidade de Compliance das Organizações Brasileiras, realizado pelo Portal de Compliane Protiviti.

O volume de consultas por mês no portal cresceu 81% no período, no entanto o cenário ainda é caótico. 45% das empresas ainda possuem um nível de compliance baixo e estão altamente expostas a riscos de corrupção. Se compararmos este número ao Cadastro Central de Empresas – Cempre, divulgado também em 2017, no ano de 2015 o Brasil continha 5,1 milhões de empresas e outras organizações formais ativas. Concluímos então que, mais de 2,2 milhões de empresas ainda não utilizam uma ferramenta de compliance para combater fraudes.

Levando isso para o mundo publicitário, o cenário não é diferente. Agências de propaganda e anunciantes continuam recebendo relatórios de fontes não auditadas ou dos próprios fornecedores. É preciso que se façam cumprir as Leis, em especial a Lei 12.232/2010.

Presença da corrupção no mundo corporativo

Outro dado preocupante é da presença da corrupção no mundo corporativo é evidenciada por um levantamento da consultoria EY. Para cerca de 70% dos executivos brasileiros entrevistados, práticas como o pagamento de propinas acontecem amplamente no ambiente de negócios. Foram entrevistados 2,7 mil executivos de 59 países. Apesar da impressão disseminada da corrupção, apenas 12% admitiram ter sofrido tentativa de suborno. Será mesmo?

Fraude e corrupção são ameaças significativas para todas as organizações em todas as jurisdições. Mas o que constitui a prática comercial normal e o que é corrupção? Segundo os entrevistados, as empresas precisam ter regras claras e políticas internas rígidas, mas também é preciso investir em ferramentas de controles que possam dar mais transparência no processo.

Isso é evidenciado em outra pesquisa realizada pela Protiviti entre julho de 2014 e dezembro de 2016, no qual a empresa avaliou o Perfil Ético dos Profissionais Brasileiros, visando identificar o grau de flexibilidade moral dos profissionais frente às principais ameaças corporativas. Acreditem, muitos dos profissionais decide aceitar ou não gratificações em relações comerciais baseando-se no que é descrito nas normas da empresa. Eles não compreendem as reais consequências que a ação pode gerar nas relações corporativas.

A percepção dos profissionais sobre receber gratificações

Se muitos profissionais possuem percepções diferenciadas entre os atos de dar e receber gratificações, outros abdicam da licitude pela certeza da falta de fiscalização ou pela “vista grossa” dos superiores. Se as pesquisas afirmam uma melhora no nível de interesse pelo compliace e ferramentas que possibilitem mais ética e transparência nos negócios pelo “medo” de punição severa, o risco desta prática voltar a ser comum caso o tema perca força em ambiente corporativo, jurídico e social, é muito grande também.

Para garantir que a ética e transparência nas organizações continue a crescer, é preciso que as empresas invistam cada vez mais em processos internos e ferramentas tecnológicas que garantam transações comerciais seguras, auditadas e longe de fraudes.

Compliance nas agências de propaganda

Como as agências fiscalizam se os profissionais contratados estão realizando o melhor investimento? Como os anunciantes auditam os recursos publicitários destinados para uma campanha? Qual a probabilidade de um veículo de comunicação dizer que não cumpriu 100% um contrato publicitário (e isso não aconteceu), quando o comprovante de mídia vem dele próprio? Foi justamente para assegurar boas práticas comerciais que em 2014 foi criada a Lei Anticorrupção.

Muitas agências, visando se adaptar e deixar de correr tantos riscos e punições severas, investiram na prática do compliance. Este processo, no entanto, ainda demanda investimentos elevados, dificultando que empresas menores possam usufruir dos benefícios de ter um departamento e profissionais qualificados e treinados para a função. É aí que entram as ferramentas que podem dar essa maior transparência e gerar maior confiança na relação entre fornecedor x cliente. Com a implantação de ferramentas adequadas para cada setor, existe a possibilidade de ação preventiva para diminuição de riscos financeiros, jurídicos e danos à imagem vindos de condutas antiéticas.

Investir em tecnologia para combater fraudes

Não são poucos os departamentos responsáveis tanto em agência, houses e até mesmo no próprio cliente, que comprometem a expertise de criação, elaboração, desenvolvimento e toda a logística de uma campanha, simplesmente porque ao receberem a incumbência e a responsabilidade da compra de espaços e mídias, abdicam da licitude e até mesmo normas de Compliance, pela certeza da falta de fiscalização e acompanhamento externo.

Se investir em tecnologia que possibilite um melhor controle é necessário, procurar a ferramenta adequada em meio a tantas opções do mercado também é. Quando a demanda aumenta, surgem novos fornecedores de soluções. Mas é preciso ficar atento para contratar ferramentas que realmente são capazes de dar mais transparência e tranquilidade para quem contrata, bem como, certificação e auditoria para quem fornece.

Busca por informações em entidades do setor

Entidades do setor já estão vendo que implantar o Compliance nas agências é um caminho sem volta e, para tanto, buscam difundir ferramentas com o objetivo de proteger as agências de atos ilegais por parte de terceiros; evitar ou coibir modalidades de fraudes ou situações irregulares; e fortalecer a reputação e credibilidade do mercado das agências de publicidade.

A ABAP, por exemplo, encomendou à Fundação Dom Cabral um Protocolo de Boas Práticas e Compliance para agências de propaganda.  A expectativa dos dirigentes é que no curto prazo o Protocolo de Boas Práticas e Compliance passe a ser exigido em todas as concorrências, sejam públicas ou privadas, a exemplo do que ocorre com as certidões negativas de débito.

Já a FENAPRO criou uma caixa de ferramentas básicas para agências de propaganda e está percorrendo o país para divulgar. Para quem é da área, vale a pena dar uma espiadinha e ver quais são as empresas indispensáveis para quem atua neste meio.

Se o mercado de atuação é outro, procure uma entidade que represente o segmento, e aposte nas pesquisas que eles desenvolvem. Investir em transparência sempre foi um bom negócio, no atual cenário, já tornou-se uma questão de sobrevivência.

Compliance: Auditoria em campanhas de rádio

A Connectmix desenvolveu uma ferramenta que proporciona às agências mais produtividade, menores custos e mais transparência. “Esta poderosa ferramenta também é uma grande aliada das empresas que estão em processo de implantação de compliance, pois além de fiscalizar os fornecedores, mostra o comprometimento da agência com os resultados do cliente. O sistema completo possibilita maior produtividade, agilidade, segurança e transparência”, afirma Glaucio Binder, presidente da Federação Nacional das Agências de Propaganda (Fenapro).

O sistema possui diversas funcionalidades, entre elas: Distribuir os conteúdos – spots e PI’s de forma automatizada para todas as emissoras envolvidas na campanha; Controlar os donwloads dos materiais distribuídos e notificar automaticamente os que ainda não realizaram o download; Gerenciar o sincronismo das informações entre Emissora/cliente e agência; Ter em tempo real um mapa onde sua publicidade está sendo executada; Realizar censura retroativa, podendo ser customizado de modo a dispensar os incansáveis telefonemas em busca de relatórios e documentos para fechamento de campanha.

Confira o vídeo que apresenta um pouco mais sobre a Connectmix e as funcionalidades da ferramenta. Para solicitar uma proposta, acesse www.connectmix.com/agencias

Se preferir, pode agendar uma ligação diretamente aqui!

Vídeo sobre a ferramenta da Connectmix

Leia Também:

Checking publicitário ou Checking de Mídia

Eleições 2018: Campanhas publicitárias 100% garantidas

Por que utilizar um sistema de gestão e monitoramento publicitário?

 

Veja mais notícias relacionadas:
Eficácia na distribuição de uma campanha Publicitária ...
10 de junho de 2019.

Em algum momento você já parou para pensar quantas horas de trabalho foram dedicadas naquele comercial de TV ou spot tocado na rádio que você escuta? Provavelmente não, até porque […]

Credibilidade: O rádio e a TV como veículos de visibilidade das marc ...
20 de maio de 2019.

O diferencial de uma marca está na forma como ela impacta seu público-alvo. Atualmente com tantos formatos de mídia, qualquer um pode divulgar seu material de trabalho ou determinado produto […]

Fraudes Digitais na publicidade: Onde e como evitar? ...
5 de abril de 2019.

Pesquisas apontam que esse tipo de crime irá ultrapassar os U$$ 50 bilhões até 2025. As tecnologias  de  ponta direcionadas ao mundo virtual estão cada dia mais aprimoradas, tanto com […]

5 coisas que todo o cliente espera de uma agência de publicidade ...
14 de março de 2019.

Para manter um cliente, as agências de publicidade devem, além de produzir campanhas super criativas, estar atentas a outros fatores fundamentais para proporcionar uma maior satisfação do cliente e, consequentemente, […]

Mais transparência em 2019 ...
12 de março de 2019.

JPouco depois de assumir o governo, o presidente Jair Bolsonaro já citou a publicidade do governo como um dos alvos de sua administração. Ele mencionou a transparência, o “BV” e […]

Monitoramento publicitário retroativo: O que isso quer dizer? ...
12 de fevereiro de 2019.

Mesmo com as mudanças de mercado e a evolução da tecnologia, as empresas continuam investindo na Publicidade dos meios tradicionais pelo retorno que eles geram quanto a credibilidade e força […]