Destaque:
Destaque:

A força do rádio para os direitos autorais no mundo

14 de março de 2018.

Os direitos autorais na música são parte importante da remuneração de compositores, músicos e gravadoras de todo o mundo e fazem parte de uma regulamentação que pode parecer meio complicada e até confusa, pois implicam não apenas no ordenamento de uma forma de remuneração, mas também, em uma sistemática de identificação e rastreamento da reprodução das obras.

De forma geral, quem for reproduzir a obra musical de outra pessoa deve pagar ao detentor do direito, ou a algum órgão que faça esse intermédio (como é o caso do Ecad, por exemplo) um valor negociado ou predefinido atribuído àquela obra. Assim, toda vez que uma música fosse reproduzida, seu autor receberia um valor relativo à sua participação na obra final apresentada. Mas nem sempre é possível controlar quando estas obras estão sendo reproduzidas.

E sobre isso, a assessora de compositores, músicos, artistas e produtores musicais, Bruna Campos, escreveu um texto muito esclarecedor baseado em dados da CISAC (Confederação Internacional de Sociedades de Autores e Compositores) . Segue o texto de Bruna, na íntegra.

A FORÇA DAS RÁDIOS E TVs PARA O DIREITO AUTORAL

Bruna Campos 

 

Talvez o compositor, maravilhado com as redes sociais e o avanço da tecnologia, só consiga pensar nas plataformas digitais como meio de recebimento de direitos autorais e conexos. “Quanto dá 1.000 visualizações de Youtube?”, “Quanto eu ganho se minha música tocar 10.000 vezes no Spotify?”.

Essas respostas giram em torno do modelo de negócio de cada uma das empresas, baseada em assinantes e anunciantes. Isso quando há assinantes, sabendo que muitos acessam esses serviços de forma gratuita, o que diminui muito o valor do direito autoral.

A importância do rádio e da TV

As rádios e TVs, por serem meios de comunicação mais abrangentes e pelo valor do ECAD ser baseado na maioria das vezes pelo seu faturamento ou potência de transmissores, ainda são as maiores fontes de direitos autorais para a classe criativa segundo dados da CISAC (Confederação Internacional de Sociedades de Autores e Compositores).

Os dados estão em milhões de Euros. Mesmo com um crescimento do digital, há uma diferença muito grande em valores arrecadados comparando-se com TVs e Rádios. Os dados foram coletados entre 2012 e 2016 em 123 países do mundo todo. Fonte: CISAC.

O crescimento do digital

Há um aumento acelerado dos valores provenientes das plataformas digitais, porém rádios e TVs mantém-se sólidas como fonte de arrecadação, indicando que mesmo que pareça que o consumidor está absorvendo conteúdo exclusivamente na internet, muitos anunciantes ainda acreditam nesses meios de comunicação como fortes influenciadores no consumo. O gráfico se mantém, mesmo se analisarmos os continentes e países de forma isolada:

Europa


Canadá/ Estados Unidos

América Latina / Caribe

Não podemos deixar de mencionar que o estudo da CISAC é muito mais abrangente do que o levantado neste artigo e está completo no site oficial da entidade. O documento mostra também o crescimento avassalador das plataformas digitais em todas as regiões.

Direitos autorais – Connectmix

Entendemos que no futuro próximo, o valor de direitos autorais provenientes das plataformas de streaming deve aumentar, o avanço do uso de novas tecnologias é uma tendência cotidiana. Mas no momento, é importante dizer as rádios e as TVs ainda são importantes para compositores e artistas.

Dados da Connectmix mostram que os artistas que tocam nas rádios conseguem cobrar cachês mais altos. As rádios ainda servem de termômetro para muitos promotores de eventos, que consultam as programações para fecharem sua grade de contratados em determinadas cidades.

Comparando-se os rankings das mais tocadas nas rádios com as mais tocadas no streaming, verificamos que o artista que investe em rádio mantém-se por mais tempo tocando, dado este que se reverte numa estabilidade maior para venda de shows.

Bruna Campos

www.brunacampos.com.br

Instagram: @brunacampos

 

Se você é músico, compositor, divulgador, empresário ou profissional do mundo da música, solicite agora mesmo o seu acesso gratuito para testar o sistema de monitoramento da Connectmix.

Cadastro gratuito para emissoras de rádio

Leia também:

Flexibilização da Voz do Brasil é aprovada na câmara

A verdade sobre auditoria e monitoramento de emissoras de rádio

Dicas de gestão para emissoras de rádio

94% dos ouvintes sintonizam uma emissora para ouvir a programação musical

Publicidade radiofônica: a Importância do meio nas campanhas publicitárias

Tire suas dúvidas sobre músicas de domínio público

– Como e onde registrar músicas?

Veja mais notícias relacionadas:
RANKING SEMANAL FM DE 07 A 13 DE JULHO ...
15 de julho de 2019.

No top 3 da última semana nas rádios FM temos novidades: Marília Mendonça assume a liderança do ranking com “Todo Mundo Vai Sofrer“, Wesley Safadão desce para 2º lugar com […]

Mais tocadas de junho nas rádios FM ...
1 de julho de 2019.

No mês dos namorados, Wesley Safadão assume o 1º lugar com ” Igual Ela Só uma”, Gusttavo Lima continua desce para 2º com Cem Mil, e Bruno e Marrone vem […]

Ranking semanal FM de 23 a 29 de julho ...
30 de junho de 2019.

Novidades no top 3 da ultima semana nas rádios FM: Wesley Safadão continua em 1º lugar com “Igual Ela Só una”, Gusttavo Lima segue em 2º lugar com Cem Mil, […]

8 dicas para atrair mais anunciantes para emissoras de rádio ...
3 de junho de 2019.

Saia na frente da concorrência e aumente a carteira de clientes de sua emissora com eficácia e custo-benefício.

Pedro Paulo e Alex lançam Sofrendo ao Quadrado ...
14 de maio de 2019.

A dupla Pedro Paulo e Alex acaba de lançar nas rádios de todo o Brasil, sua mais nova música de trabalho: Sofrendo ao Quadrado. O single também está disponível no […]

Ranking das mães: As artistas mais tocadas nas emissoras do Brasil ...
8 de maio de 2019.

Para celebrar o próximo domingo (12), Dia das Mães, e homenagear essas mulheres que são artistas talentosas e mães dedicadas, a Connectmix preparou uma lista com as 10 cantoras, que […]